Resumo de meus estudos de literatura, trovadorismo, barroco, arcadismo, romantismo, parnasianismo, naturalismo, realismo, simbolismo, modernismo


Trovadorismo ou Quinhentismo, é o nascimento da literatura, que tem como início no séc. XII. O trovadorismo tem como base a escrita pelos trovadores (poetas, e cantada pelos jograis. O interessante é que os jograis cantavam, mas não faziam poesia, assim como os trovadores faziam poesia, mas não cantavam.

A principal escrita dos trovadores é o galego português as poesias, eram feitas e compiladas em “cancioneiras”, que eram uma espécie de coletânea, as principais “cancioneiras” era, a cancioneira da ajuda, cancioneira da vaticana, dentre outras.

Falando um pouco da literatura brasileira, parte de meus estudos…


Aprendi a amar a literatura, gosto da literatura brasileira e a sua história, do quinhentismo ao contemporâneo. Admiro a história da literatura brasileira assim como o surgimento e origem do povo brasileiro, apesar de todo o confronto que teve devido a escravização e a injustiça social que vivemos pelos colonizadores, que tinha por interesse de tornar o Brasil coroa parte da coroa de Portugal, da descoberta do povo brasileiro em 1500 para o surgimento dos povos brasileiros e suas formações em 1530.

Discurso – “Valter Bitencourt Júnior, consagrando-se membro da Academia de Letras de Teófilo Otoni”


Eu, Valter Bitencourt Júnior, só tenho a agradecer, por poder fazer parte da Academia Teófilo Otoni, pois juventude aprenda a explorar o melhor que se é oferecido, para a vida, e desfrute na melhor forma possível, brigue pelos os direitos, e sempre busque, o jovem por sua vez tem que aprender a ser protagonista. Cada ser tem um destino, e o meu destino são as palavras, assim como o meu trabalho, no qual busco a desenvolver, na melhor forma possível, para que no meu futuro fique a minha história, e que a minha história de vida não seja uma história qualquer, que também tenha os seus segredos, e mistérios.

Um Registro Muito Importante


Encontrei um registro muito importante, datado no dia 17 de março de 2012, registra o dia em que estive no Projeto Fala Escritor, e pude ver uma entrevista que foi feita ao professor Germano Machado. Essa data marca um dos primeiros dias que pisei os pés no Projeto Fala Escritor. Assisti também uma apresentação de uma belíssima cantora, chamada Iara Castro.

“O que venha a ser o poema (a obra) de Almandrade em nossa atualidade?”


Acredito que a poesia de Almandrade (Antonio Luiz M. Andrade) atravessou o tempo, a poesia vanguardista, que por sua vez transforma-se em imagem; poesia completamente arquitetada com uma grande maestria.

Cabe a geração futura, (a geração de hoje também, porque não esta distante de ser analisado, e estudado os poemas de Almandrade, “a juventude”, pequenos poetas tem de beber um pouco da poesia deste poeta, arquiteto, etc), a poesia busca o novo, vive a buscar o novo, porque a poesia transforma-se, e o poeta acompanha toda a transformação, e quem ler os poemas de Almandrade transforma-se, entra na geometria das palavras, viaja no tempo, por entre o compasso.

Canção do Hierofante, de Elder Carlos dos Santos


Canção do Hierofante, livro da autoria de Elder Carlos dos Santos, com o prefácio do prof Germano Machado, quem escreveu a orelha do livro foi o Ivan de Almeida, livro publicado pela Cogito Editora e a Editoração CEPA, 174 página.

August Rush O Som do Coração – Diretor Kirsten Sheridan


O Filme O Som do Coração, filme dirigido por Kirsten Sheridan, fez com que eu reflita,e perceba o quanto a vida é importante, e que cada ser humano tem um destino, e cada ação que fazemos esta ligado a vida que vivemos.

Livro: Visões da Crise


O livro Visões da Crise foi organizado por Adhemar dos Santos Mineiro, Luiz Antônio Elias, César Benjamin e tem como contraponto a CORECON-RJ (Conselho Regional de Economia do Rio de Janeiro), SINDECON-RJ (Sindicato dos Economistas do Rio de Janeiro), IERJ(Instituto dos Economistas do Rio de Janeiro), com projeto gráfico feito por Regina Ferraz, revisão tipográfica feita por Tereza da Rocha, trata-se de uma primeira edição de outubro de 1998, com uma tiragem de 3000 exemplares, foto da capa feita por Pedro Lobo.