Bate Papo: Café Literário Com Xico Sá


Dia 31 de agosto, tem bate papo literário com o escritor Xico Sá, evento gratuito promovido pelo Senac, das 10h às 11:30.

Informações publicada na página no Facebook do Senac Tatuapé:

Jornais, revistas, livros, programas esportivos, redes sociais…

Xico Sá é um dos mais autênticos cronistas brasileiros. Constrói suas crônicas e narrativas através dessa pluralidade de espaços que ocupa, e assuntos que domina.

No dia 31 de agosto, as portas do Senac Tatuapé estarão abertas, e será uma honra compartilhar esse espaço com essa figura icônica, em um bate-papo sobre carreira e obra.

Vai perder?

Inscreva-se

http://www.sp.senac.br/casaabertasenactatuape

Antônio Torres Faz Aula Inaugural na UEFS (Universidade Estadual de Feira de Santana)


O escritor e acadêmico da ABL e ALB, Antônio Torres, faz aula inaugural na UEFS, na abertura do 2o. Semestre do Mestrado em Estudos Literários. Segunda-feira, 2 de setembro, às 9h30, no Auditório da Pós-Graduação, Módulo 2 da UEFS. Via: Aleilton Fonseca

Desgraça alheia


O nariz corroído,
Os pulmões manchados
Por fatores poluentes;
Por fatores químicos,
Cérebro em tumores,
Enxaqueca, ilusão,
Esquizofrenia, delírio,
Ironia, overdose, alucinações,
Suor, tentativa de cura,
Abstinência… Dores,
Tormentos, internação,
E na saída nunca é o mesmo,
E na volta dos vícios
Um finado…

Não me esqueça


Venhas pros meus braços
Não se aflija!
Quero sentir a essência
Do seu perfume de jasmim,
Quero designar
A cor dos teus olhos.
Teus olhos são o azul do céu
Mesclado com o amarelo
Das flores
E resultam nos verdes dos rios
Venha meu amor,
Saciar minha sede,
lembrar momentos
Perdidos
Que sequer sabemos
Onde achar!

Valter Bitencourt Júnior, Salvador, Bahia, Brasil.

Diz


Gosto de quem gosta de mim.
Gosta, e simplesmente gosta,
Gosta do meu ser em si,
Eu gosto, de quem gosta de mim.
Pessoas são pessoas,
Pessoas não vivem sem pessoas,
Uma pessoa precisa da outra.
Sou gente, e gente gosta de gente,
E se não gosta perde,
E se não gosta, não gosta,
Mas um dia aprende a gosta de gente,
porque gente é gente.
Gosto da gente, gosto de gente
Com muito amor, gosto de quem gosta do
Meu ser, e quem não gosta aprende a gostar.
Sou gente, você é gente, somos povos
Meu povo, pertenço,
Pertenço também ao seu povo.
Gosto de tudo, gosto de você,
Você pode gosta de mim..
Gosta, gosta, diz!

Valter Bitencourt Júnior, Salvador, Bahia, Brasil.

No meu mundo interior


Por dentro carrego um mundo
Somente meu, no meu mundo
Crio o que há de mais fantástico,
Transformo palavras em imagens,
E sou completamente livre,
Pulo penhasco e sou amparado
Por paraquedas,
No meu mundo sei nadar,
Coisa que não faço
Fora do meu mundo de imaginações.

Valter Bitencourt Júnior
Valter Bitencourt Júnior, Salvador, Bahia, Brasil.

Paz


Paz em vez de violência
Neste mundo necessitado de amor.
Compaixão, misericórdia entre
Os irmãos, que sejamos recíprocos,
Assim como o dia com a natureza,
O sol com as plantas.
Que sejamos unidos como as formigas
A trabalharem juntas.
Que tenhamos pasciência
Para com as cigarras,
Que cantam em plena manhã,
A nos despertar.
Paz em vez de guerra,
Neste mundo necessitado de solidariedade,
Onde precisamos estender a mão
Para o outro, e abraçá-lo,
Em vez de oprimi-lo, massacrá-lo,
Batê-lo, executá-lo…
– Obedecendo a ordem do estado.
Paz, paz para os países em guerra:
– Paz para a Síria, paz para a Palestina, paz para a Índia, e muitos outros países
Necessitados de paz, amor,
Compaixão, misericórdia, solidariedade…
– Chega de massacre social,
O povo não merece viver
Como refugiados, da sua
Própria nação.
Paz, paz entre as famílias,
Entre os irmãos, entre os amigos,
Entre a comunidade,
Paz para o mundo, paz, tudo
Pede paz.

Valter Bitencourt Júnior, Salvador, Bahia, Brasil.

Sistema


Crianças tão inocentes
Brincam de barquinhos
De papel, e avião de plástico,
E… Como pode?
Ter um ser assim
Tão poeta…
Os jovens são tão
Ligeiros, e degustam
Tantas coisas novas,
Como pode?…
Serem tão poetas.
O adulto que corre
Em busca de coisas sérias
Que perdem tanto ao estado,
Mas às vezes tanto reclamam
Como pode?
Poetas que vivenciou a vida,
E esse sistema que quer ver
Os nossos olhos fechados.