Não sei se continuo amando a vida (continuação e final)


Resolvi dar fim de uma escrita que não deveria sequer ter dado início, mas quem sabe termine com um pouco de humor diante a cada situação humana, pois uma vida é a continuação de outra vida. Pode ser semeado o bem e o mal, apenas o bem pode dar bons frutos, a sociedade não é formada sozinha, no meio de milhares de pessoas ainda há pessoas boas no mundo, e, isso é o que nos mantém vivos.

Não sei se continuo amando a vida, não é uma afirmação! A vida é uma filosofia imensa, gosto de refletir, pois não abro mão de minhas reflexões. Enquanto houver vida a gente tem que usar a mente para pensar, questionar, argumentar, perguntar e procurar resposta e isso torna a vida gostosa e interessante.

A dúvida tem de fazer parte da vida, não para se prender na dúvida, por minha vez eu amo a vida, quando penso deixar de amar eu ganho motivos para voltar a amar, pois a utopia é o que mantém o ser de pé. A crença de que tudo pode mudar um dia, diante a cada decepção e paranóias sempre há novos mundos a explorar.

A gente vai aprendendo a viver num sistema perverso, mas sabemos o quanto nos incomoda e isso é bom, porque não devemos nos conformar ao sistema, não podemos abrir mãos do nosso direito, quanto ser humano. A gente é livre na medida que usamos a nossa liberdade sem roubar a liberdade do outro.

Nos tornamos humano, quando aprendemos a entender a si mesmo e o próximo. O mundo que vivemos precisa de um abraço imenso, pois o abraço cura, necessitamos de ser abraçados e abraçarmos.

E assim a gente vai ganhando motivos para continuar amando a vida. A vida é um nuance, tem as suas contradições, porém tudo vai se tornando gostoso quando aprendemos a lidar com a vida.

O dia que eu fiquei sem palavra foi quando uma amiga falou “você salvou o meu dia hoje” ela falou sorrindo. Devemos deixar de lado o nosso próprio ego, elogiar sem medo, fazer o bem sem olhar a quem (como diz o ditado), não saí jogando a culpa nos outros, não descontar nos outros o quê ela não tem culpa alguma. Um bom dia, boa tarde, boa noite faz muito bem.

Olhar no olho do próximo e saber ser verdadeiro é ser verdadeiro não apenas com os outros, quanto com sigo mesmo.

E assim sigo amando a vida, quando eu imaginar que não sei se continuo amando a vida, buscarei motivos para continuar amando, mais e mais.

Publicado por Valter Bitencourt Júnior

Valter Bitencourt Júnior, nasceu em Salvador, Bahia, Brasil, em 25 de junho de 1994, é anarquista, poeta e escritor brasileiro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: