Live de Lançamento: Maturando Pernas em Rabo de Peixe

Live de Lançamento: Maturando Pernas em Rabo de Peixe, autoria de Martha Galrão, dia 16 de setembro, às 19h. Mediação de Vânia Melo, convidados Clarissa Macedo e Kátia Borges, será transmitido no canal do YouTube Editora Segundo Selo.


Live de Lançamento: Maturando Pernas em Rabo de Peixe, autoria de Martha Galrão, dia 16 de setembro, às 19h. Mediação de Vânia Melo, convidados Clarissa Macedo e Kátia Borges, será transmitido no canal do YouTube Editora Segundo Selo.

Lançamento Maturando Pernas em Rabo de Peixe

Concerto de Poesia Com Carlos Nejar

No dia, 28, tem “Concerto de Poesia”, organizado pelo Nuno Rau, com a participação de Carlos Nejar, entrada franca, ao vivo no Zoom, a partir das 15h.


No dia, 28, tem “Concerto de Poesia”, organizado pelo Nuno Rau, com a participação de Carlos Nejar, entrada franca, ao vivo no Zoom, a partir das 15h.

Concerto de Poesia

Homenagem: Jorge Amado e Zélia Gattai

Homenagem ao Casal Amado: Jorge e Zélia Gattai Amado, hoje, 27, às 19h, no canal do YouTube Biblioteca do Paiaiá. Participação de Paloma Jorge Amado, Antônio Torres, Joselia Aguiar e Alfredo Wagner de Almeida.


Homenagem ao Casal Amado: Jorge e Zélia Gattai Amado, hoje, 27, às 19h, no canal do YouTube Biblioteca do Paiaiá. Participação de Paloma Jorge Amado, Antônio Torres, Joselia Aguiar e Alfredo Wagner de Almeida.

Homenagem ao Casal Amado: Jorge e Zélia Gattai Amado

Eu mesmo

Eu mesmo, poema de Valter Bitencourt Júnior


Deixei o meu amor me levar
E ao partir regressei
Em meu próprio ser.
Olhando-me no espelho
Eu pude enxergar-me
E vê o quanto preciso
Amar a mim mesmo.

Valter Bitencourt Júnior

Espelho

Espelho, poema de Valter Bitencourt Júnior


Olhar no espelho e enxergar a própria face,
Quem sabe vê os próprios olhos, nariz, boca,
Orelhas…
Olhar no espelho e enxergar a si mesmo!
Penetrar no próprio interior e quem sabe
Querer fugir de si mesmo – entrar no espelho
É entrar na própria alma e ir além
Do reflexo – filosofia profunda…
O espelho fala e torna o ser em um,
Mexe por dentro em argumentos.
Esse sou eu, o eu em atrito com o eu!
O que eu sou? Quem eu sou?
O eu fui? O que estou sendo?
Quem sabe enxergar um monstro dentro
De si?
Quem sabe querer beber da fonte da consciência?
Buscar mudança?
Todos os dias o espelho nos mostra algo
De diferente – o ser muda o tempo todo.
O espelho de cada dia – quem poderia seguir?
O espelho conotativo, se espelhar no bom
E melhor…
Ah, eu que não quero ser o espelho de seu ninguém,
Que cada um busque a sua própria identidade,
Que a minha eu já tenho e jamais
Abrirei mão.
O espelho denotativo e o espelho conotativo.
Palavras poéticas em reflexão,
Por entre o que há de sublime e grotesco.

%d blogueiros gostam disto: