Um dia


Às formigas não param dia e noite trabalham.
Pobre formigas, que trabalha feito escravas.
Formigas enfileiradas, formigas padronizadas,
Formigas comandadas, formigas até que solidárias:

-Sobrevivem da mesma dor.
Observei as formigas…
Fui mirar a lua e as estrelas.
Que tédio, acendo o cigarro
E solto a fumaça para o nada.
O ser querendo desabar.
Volto para mirar as formigas
E toda uma sociedade criada pelas
Formigas…
Fechei os olhos
Vi todo um filme:
Sociedade de pessoas
Enfileiradas, padronizadas,
manipuladas,
Escravizadas, comandadas,
Que muito trabalham
Na busca do futuro
E muito são condenadas.
Acendo o cigarro
E deixo a noite passar!

Autor: Valter Bitencourt Júnior

Valter Bitencourt Júnior, nasceu em Salvador, Bahia, Brasil, em 25 de junho de 1994, é anarquista, blogueiro, streamer/influencer, poeta e escritor brasileiro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: