Dia


Fisga no peito o som da concha,
Serpenteia o ser na aurora.
Da fuga – desespero;
Da fisgada – refúgio;
Da penumbra – assombro;
Do escombro – reencontro.
Lá fora a chuva e o girassol
No olhar o brilho do sol
E todo um amarelo de náusea.
No óculos gotículas de lágrimas
E todo um papel vazio.
Sem poema,
Sem prosa…
O nada.

Valter Bitencourt Júnior

Dois dedos de prosa
Um acidente
Palavras censuradas no tempo.

Dois dedos de prosa
Um acidente
Palavras censuradas no tempo.Valter Bitencourt Júnior
Valter Bitencourt Júnior

São Paulo: Paisagens Interiores, de Décio Torres – Lançamento

Paisagens Interiores, de Décio Torres


Dia 2 de Julho, das 17h às 22h, tem o lançamento do livro “Paisagens Interiores”, autoria de Décio Torres, através da Editota Patuá. Rua Luís Murat, 40, São Paulo, 05436-050.

Aos 28


A vida passa, o tempo,
Os dias, as memórias?
Às memórias são impagáveis
E aos 28? Mais um ano de vida?
O porvir é um mistério profundo.
Vejo pela frente uma bola
De fumaça e o desejo
De dias melhores.

“A Falta”, a Mais Nova Obra de Xico Sá


— Tá bom, seu Xico, mas do que trata mesmo esse seu novo livro? Tento responder nesse texto. Sim, o lançamento é neste domingo, meio-dia, n´A Feira do Livro (na frente do ex-estádio do Pacaembu, SP).

Às vésperas dos 40 anos e em final da carreira, o goleiro Yuri Cantagalo retorna da Espanha ao Brasil com o grande amor da sua vida, a quem trata apenas como A Sevilhana. Durante aquele jogo que pode ser a sua despedida — em um campo dividido ao meio pela linha do Equador —, ele se vê em desespero com o sumiço repentino e misterioso da mulher.

Para completar a angústia do arqueiro, sua mãe, Deolinda, havia feito uma revelação maluca na véspera: em vez do “pai desconhecido” que consta do registro de nascimento, Yury seria filho de Lev Yashin, o Aranha Negra, o mitológico guarda-redes da ex-URSS. Tudo poderia ser apenas um delírio materno, mas fatos e datas coincidem: o russo estivera mesmo no Rio de Janeiro em 1965, o que deixa o suposto herdeiro em parafuso.

Diante do redemoinho de acontecimentos e da decadência profissional, Yuri recorre ao seu guia filosófico, Albert Camus — o escritor argelino também havia sido goleiro na juventude — para tentar uma saída. Entre uma defesa e outra debaixo das traves, reflete sobre o trabalho de Sísifo, só comparável, segundo ele, ao seu ofício no futebol.

A partida em si é o que menos importa diante de tantos embaraços existenciais. Àquela altura, somente as citações de ficção científica do narrador de rádio Dáblio Dáblio e os comentários teatrais do cronista esportivo Tirésias conseguem arrancar algum sorriso do protagonista. O resto é desespero.

Em 90 minutos, o angustiado guarda-redes repassa também momentos traumáticos da carreira que haviam sido encobertos, como o abuso sexual que sofreu nas categorias de base de clubes cariocas. A violência contra os amigos de infância no morro é outra memória que vem à tona e o impede de se religar afetivamente com o Brasil.

Yuri saiu do Rio muito jovem para jogar na Europa, onde atuou pelo Benfica e Sevilha. À beira da sua primeira morte (“O jogador de futebol morre duas vezes. A primeira, quando para de jogar”), somente a Sevilhana conseguiria resgatá-lo desse pântano mental. O gandula-xamã terá alguma pista? O anjo da latitude zero vai devolver a sua sanidade mínima? Um final misterioso aguarda as leitoras e os leitores dessa novela.

Xico Sá, no Meta (Facebook)
“A Falta”, autoria de Xico Sá.
“A Falta”, autoria de Xico Sá, pré-venda, na Amazon.
Lançamento do livro “A Falta”, autoria de Xico Sá. Xico Sá, via Instagram.
%d blogueiros gostam disto: