Quilômetro


Cego, lerdo, medro.
Míope, corre, chove. Eu trilho, e perto
De você chego encharcado…

Dia


Fisga no peito o som da concha,
Serpenteia o ser na aurora.
Da fuga – desespero;
Da fisgada – refúgio;
Da penumbra – assombro;
Do escombro – reencontro.
Lá fora a chuva e o girassol
No olhar o brilho do sol
E todo um amarelo de náusea.
No óculos gotículas de lágrimas
E todo um papel vazio.
Sem poema,
Sem prosa…
O nada.

Valter Bitencourt Júnior

Dois dedos de prosa
Um acidente
Palavras censuradas no tempo.

Dois dedos de prosa
Um acidente
Palavras censuradas no tempo.Valter Bitencourt Júnior
Valter Bitencourt Júnior

Nada


Quero o nada,
E do nada quero
Fazer o silêncio.
Do silêncio, o nada.
Quero a paz, da
Paz o nada,
E de todo esse nada
Quero mergulhar
No meu próprio eu.

Valter Bitencourt Júnior

Lançamento do Dicionário de Escritorxs Contemporâneos do Nordeste


Foto de divulgação

Dia 1 de julho, no espaço quadrilátero da Biblioteca Central do Estado da Bahia, às 18h, tem o lançamento do Dicionário de Escritorxs Contemporâneos do Nordeste, dicionário organizado pelo jornalista e editor Roberto Leal e publicado através da Editora Òmnira.

%d blogueiros gostam disto: