Dia


Fisga no peito o som da concha,
Serpenteia o ser na aurora.
Da fuga – desespero;
Da fisgada – refúgio;
Da penumbra – assombro;
Do escombro – reencontro.
Lá fora a chuva e o girassol
No olhar o brilho do sol
E todo um amarelo de náusea.
No óculos gotículas de lágrimas
E todo um papel vazio.
Sem poema,
Sem prosa…
O nada.

Valter Bitencourt Júnior

Dois dedos de prosa
Um acidente
Palavras censuradas no tempo.

Dois dedos de prosa
Um acidente
Palavras censuradas no tempo.Valter Bitencourt Júnior
Valter Bitencourt Júnior

Aos 28


A vida passa, o tempo,
Os dias, as memórias?
Às memórias são impagáveis
E aos 28? Mais um ano de vida?
O porvir é um mistério profundo.
Vejo pela frente uma bola
De fumaça e o desejo
De dias melhores.

Um dia


Às formigas não param dia e noite trabalham.
Pobre formigas, que trabalha feito escravas.
Formigas enfileiradas, formigas padronizadas,
Formigas comandadas, formigas até que solidárias:

-Sobrevivem da mesma dor.
Observei as formigas…
Fui mirar a lua e as estrelas.
Que tédio, acendo o cigarro
E solto a fumaça para o nada.
O ser querendo desabar.
Volto para mirar as formigas
E toda uma sociedade criada pelas
Formigas…
Fechei os olhos
Vi todo um filme:
Sociedade de pessoas
Enfileiradas, padronizadas,
manipuladas,
Escravizadas, comandadas,
Que muito trabalham
Na busca do futuro
E muito são condenadas.
Acendo o cigarro
E deixo a noite passar!

A Leitura do Poema Com Antonio Carlos Secchin


%d blogueiros gostam disto: