Mostra SESC Cariri de Culturas: Ednardo – Conectames: Canções & Caminhos

Ednardo – Conectames: Canções & Caminhos


Foto de divulgação.
Estréia, dia 14, às 19h: “Conectames: Canções & Caminhos” – Ednardo, no canal do YouTube do SESC Ceará.

“A Mostra Sesc Cariri encerra sua programação com a estreia do vídeo “EDNARDO – CONECTAMES: CANÇÕES & CAMINHOS”, uma homenagem da FECOMÉRCIO CEARÁ ao cantor e compositor EDNARDO. Conduzido pela atriz e cantora Joana Limaverde, como âncora, o vídeo revela habilidades do cantor como artista plástico, e suas novas canções que estão sendo finalizadas, com a produção assinada por Daniel Limaverde. As músicas farão parte do novo EP, e em breve será disponibilizado aos fãs do compositor, que já aguardam ansiosos. Depoimentos emocionantes de vários artistas e amigos permeiam a linha do tempo de sua história. Ednardo, que assina o roteiro, apresenta o conceito “CONECTAMES”, junção da palavra “CONECT” ao sufixo “AMES” com a proposta de “criar e comunicar” nas diversas formas de expressão humana e artística, que é um dos caminhos de sua canção. Afeito ao sentimento de coletividade, ele fala através da linha do tempo de sua carreira sobre o Pessoal do Ceará, Massafeira e do show dos 40 anos de carreira que gerou um DVD, com a participação de vários artistas.”

Ednardo, divulgando o evento no Instagram.

Lutemos

Conscientizar a sociedade através da arte e da cultura também é o papel do artista que por sua vez sofre com o sistema que vive, sistema esse que faz o máximo para destruir a arte e a cultura através da falta de investimento. A sociedade sem arte e cultura é um verdadeiro nada, é uma sociedade sem história, sem vida, sem cor, até porque é a arte que sobrevive a esperança da sociedade e a ressuscita do caos e transtorno de cada dia.

O governo opressor visa bater e muitas das vezes destruir tudo que venha a ir de desencontro a ele, não é atoa que o atual presidente está criando medidas para coibir que as pessoas venham a fazer críticas a ele, é claro que uma das maiores vítimas de todo esse sistema é o artista, que por sua vez não é condenado apenas pelo sistema, quanto por parte de uma sociedade que o desvaloriza.

Não há agressão social maior, que o governo Bolsonaro, a arte e a cultura por sua vez também busca sobreviver a esse governo tirano e perverso, que pouco se importa com a arte e a cultura, falando nisso quem não se preocupa com a arte e a cultura também não se preocupa com a educação do próprio país. Ganhamos um governo que não reconhece o Paulo Freire uma das peças fundamentais para a educação brasileira.

Esse governo quer matar ideias, quer matar a arte de pensar, quer matar tudo que venha a desperta a sociedade, quanto a isso não temos dúvida alguma começando pela escolha do ministro da educação, temos um governo conservador e contraditório que por sua vez contradiz os seus próprios ideais, que é o bem da família, Deus a cima de tudo e o amor a pátria.

Somos vítimas desse sistema, querem censurar o teatro, querem desvalorizar os artistas e acabar com a Lei Rouanet (isso é se já não acabou), o artista come o pão que o diabo amassou no governo Bolsonaro, principalmente os artistas de rua, os artistas independentes que já sofriam antes e hoje em dia por sua vez estão sofrendo mais ainda com a falta de compromisso desse governo.


Conscientizar a sociedade através da arte e da cultura também é o papel do artista que por sua vez sofre com o sistema que vive, sistema esse que faz o máximo para destruir a arte e a cultura através da falta de investimento. A sociedade sem arte e cultura é um verdadeiro nada, é uma sociedade sem história, sem vida, sem cor, até porque é a arte que sobrevive a esperança da sociedade e a ressuscita do caos e transtorno de cada dia.


O governo opressor visa bater e muitas das vezes destruir tudo que venha a ir de desencontro a ele, não é atoa que o atual presidente está criando medidas para coibir que as pessoas venham a fazer críticas a ele, é claro que uma das maiores vítimas de todo esse sistema é o artista, que por sua vez não é condenado apenas pelo sistema, quanto por parte de uma sociedade que o desvaloriza.


Não há agressão social maior, que o governo Bolsonaro, a arte e a cultura por sua vez também busca sobreviver a esse governo tirano e perverso, que pouco se importa com a arte e a cultura, falando nisso quem não se preocupa com a arte e a cultura também não se preocupa com a educação do próprio país. Ganhamos um governo que não reconhece o Paulo Freire uma das peças fundamentais para a educação brasileira. 


Esse governo quer matar ideias, quer matar a arte de pensar, quer matar tudo que venha a desperta a sociedade, quanto a isso não temos dúvida alguma começando pela escolha do ministro da educação, temos um governo conservador e contraditório que por sua vez contradiz os seus próprios ideais, que é o bem da família, Deus a cima de tudo e o amor a pátria. 


Somos vítimas desse sistema, querem censurar o teatro, querem desvalorizar os artistas e acabar com a Lei Rouanet (isso é se já não acabou), o artista come o pão que o diabo amassou no governo Bolsonaro, principalmente os artistas de rua, os artistas independentes que já sofriam antes e hoje em dia por sua vez estão sofrendo mais ainda com a falta de compromisso desse governo.

Valter Bitencourt Júnior, anarquista, blogueiro poeta e escritor brasileiro.

Biblioteca Mário de Andrade: Mário On-line

Biblioteca Mário de Andrade: Mário On-line


FB_IMG_1593632309646

Memória: Obra de Miguel Robledo Cimbrón à Valter Bitencourt Júnior – 2012

A mais ou menos 8 anos atrás, recebi do caro amigo artista espanhol, Miguel Robledo Cimbrón, essa maravilhosa obra, que eu guardo com muito carinho, uma lembrança e tanta, lembro como se fosse hoje o dia em que recebi, fiquei alegre pra caralho!


Arte de Miguel Robledo Cimbrón, Mora de Rubielos (Teruel 1956)
Arte de Miguel Robledo Cimbrón, Mora de Rubielos (Teruel 1956).

A mais ou menos 8 anos atrás, recebi do caro amigo artista espanhol, Miguel Robledo Cimbrón, essa maravilhosa obra, que eu guardo com muito carinho, uma lembrança e tanta, lembro como se fosse hoje o dia em que recebi, fiquei alegre pra caralho!

FLIFS – Festival Cultural e Literário de Feira de Santana

DIA 26 DE SETEMBRO
10h Mesa 3 – Livros fundamentais (depoimentos)
Palestrantes: Aleilton Fonseca/ UEFS, Antônio Brasileiro/ UEFS e Luís Pimentel/RJ
Mediador: Roberval Pereyr/ UEFS
 Lançamento da revista Quanta
Local: Auditório Julieta Carteado

DIA 27 DE SETEMBRO
18h30 – Mesa 6 – Literatura Baiana contemporânea Palestrantes: Evanilton Gonçalves/BA
Itamar Vieira Jr./BA
Mediador: Aleilton Fonseca/BA
Local: Teatro – SESC Centro


FLIFS – FESTIVAL CULTURAL E LITERÁRIO DE FEIRA DE SANTANA
http://www.uefs.br/arquivos/File/Ascom/programacaoflifs.pdf

DIA 26 DE SETEMBRO
10h Mesa 3 – Livros fundamentais (depoimentos)
Palestrantes: Aleilton Fonseca/ UEFS, Antônio Brasileiro/ UEFS e Luís Pimentel/RJ
Mediador: Roberval Pereyr/ UEFS
Lançamento da revista Quanta
Local: Auditório Julieta Carteado

DIA 27 DE SETEMBRO
18h30 – Mesa 6 – Literatura Baiana contemporânea Palestrantes: Evanilton Gonçalves/BA
Itamar Vieira Jr./BA
Mediador: Aleilton Fonseca/BA
Local: Teatro – SESC Centro
PROGRAMAÇÃO:
http://www.uefs.br/arquivos/File/Ascom/programacaoflifs.pdf

%d blogueiros gostam disto: