Nada


Quero o nada,
E do nada quero
Fazer o silêncio.
Do silêncio, o nada.
Quero a paz, da
Paz o nada,
E de todo esse nada
Quero mergulhar
No meu próprio eu.

Valter Bitencourt Júnior

Aos 28


A vida passa, o tempo,
Os dias, as memórias?
Às memórias são impagáveis
E aos 28? Mais um ano de vida?
O porvir é um mistério profundo.
Vejo pela frente uma bola
De fumaça e o desejo
De dias melhores.

Exagero

-Sempre
Queremos
Mais.


Transbordar
A cerveja
No copo,
É como
Infarta de
Felicidade.

Sempre
Queremos
Mais.

Breve Resenha do Livro “Garatujas Selvagens” de José Inácio Vieira de Melo

Breve resenha da obra “Garatujas selvagens”, autoria de José Inácio Vieira de Melo.


Valter Bitencourt Júnios, no Spotify.

O José Inácio Vieira de Melo, na sua mais recente obra “garatujas selvagens”, traz poemas que vai além do versejar nordestino e penetra em toda uma filosofia, carregadas muitas das vezes de certezas, certezas essas, que muitas das vezes faz surgir as dúvidas.

O poeta mostra toda uma visão “Procuro // no claro ou no escuro / procuro porque procuro / sempre novos rumos / sem pensar futuros / procuro porque me curo / ao ultrapassar muros.”, visão essa que busca ir além e quebrar barreiras, quem sabe uma barreira de realidade ou da fantasia, o poeta esbanja pura sabedoria.

No poema “Amor luminoso”, José Inácio escreve , na sexta estofe os três versos seguintes “Sou pequeno, / mas o amor me eleva aos Andes, / onde sou condor e Castro Alves.” Como não ir a loucura com esses 3 versos na na sexta estrofe? Por sua vez na “miudeza” o poeta vai se tornando sublime, graças ao amor que o eleva ao “topo”, seu verso mostra toda uma visão condoreir e assim se encontrando como poeta, não apenas como se encontrando, quanto se identificando.

São poemas descritivos, fazendo uso de poucas elipses, seus poemas se encontra toda uma canção, pois não foram feitas apenas para serem lidas e declamadas, e sim, para serem cantadas. E dentro de seus poemas, José Inácio, faz referências a outros poetas, não apenas faz referências a outros poetas, quanto aos poemas de outros poetas, assim citando algubs trechos dentro de seus poemas.

No poema “Semeador” nos dois últimos versos da quadra que se encontra na quarta estrofe, o José Inácio Vieira de Melo, escreve “Pois por mais que haja dor e espinho, / eu nasci para semear amor e poesia”, o poeta se identifica e reconhece o seu dom.

E viva ao José Inácio Vieira de Melo e sua mais recente obra “garatujas selvagens”. Super indico aos amigos e amigas a leitura do livro.

Autógrafo de José Inácio Vieira de Melo à Valter Bitencourt Júnior, Pedra Só/BA, 30/11/2021.

Mais Uma Forma de Interagir Com os Amigos e Amigas

Meu primeiro podcast


Escute através do Spotify.

Fiz o meu primeiro podcast, li três poemas de minha autoria “Sede”, “Meu ego” e “Quero mesmo é um disco voador”, ambos os poemas se encontram no livro “Você Pode: Antologia”.

%d blogueiros gostam disto: