#LiberdadeParaAssange Palavras de Lula na Luta Pela Liberdade de Julian Assange


Palavras de Lula, na luta pela liberdade para Julian Assange.

Bem isso, Lula, a prisão de Julian Assange, é nada mais nada menos que um atentado contra a liberdade de expressão.

O Estadão Quer Vender Exatamente o Que a Elite Quer Lê


Ontem eu estava escutando a apresentação no Twitter Space, de Rodrigo, do Vida de Jornalista, conversando sobre “quem lê editorial?”, com microfone aberto aos ouvintes. Ao longo do tempo eu fui aprendendo e ganhando novas visões de acordo a fala de cada um que ali se fez presente.

Eles abordavam que todo domingo está tendo um Editorial do Estadão, batendo no PT e no Lula, editorial esse que o leitor sequer sabe quem o escreve, porém visa expressar todo um ponto de vista do jornal.

Ontem, eu tentei colocar um pouco sobre o meu ponto de vista, dei início parabenizando os jornalistas independente e o jornalismo independente, porque quem vem de fato fazendo jornalismo são eles, que denunciam o que vem se passando na sociedade, na política, no meio ambiente… E, o papo trazido pelo Vida de Jornalista, no Twitter Space é muito importante, papo esse aberto aos ouvintes. Fiz alguns questionamentos, do porquê que o Estadão não fala sobre o Moro, sobre o atual presidente, sobre questões que vem se passando no nosso país. Talvez eu não soube me expressar direito, mas acredito que o pouco que eu conseguir me expressar também teve a sua importância.

E coloquei, que o Estadão quer vender exatamente o que a elite quer lê. Tinha criado um esboço, antes de falar com o pessoal Vida de Jornalista, na medida que eu fui escutando eu fui criando novos pensamentos, de início eu via que “todo rebuliço que gera em torno do Editorial do Estadão, simplesmente engrandece o jornal, na medida que o editorial começa a se espalhar, inclusive por quem não é assinante do Estadão”. Percebi que eu estava errado, percebi que trazer o que se passa no Estadão para a sociedade em si é levar informação para o alcance de todos, e já acabou aquele tempo que a imprensa, que o jornalismo era limitado e feito para as elites.

Por isso que iniciei parabenizando o jornalista independente e o jornalismo independente, porque eles trazem também questões como essa vinda da grande mídia, e abre espaço para que todos possam colocarem o seu ponto de vista. Ontem eu recebi uma grande aula e quero continuar aprendendo mais e mais em outras gravações no Twitter Space, tanto feita pelo Vida de Jornalista, quanto pelos demais, que abrem espaço para o ouvinte.

Imagem da internet

Vaza Jato: os bastidores das reportagens que sacudiram o Brasil (Finalista do Prêmio Jabuti)

O livro “Vaza Jato: os bastidores das reportagens que sacudiram o Brasil”, autoria de Letícia Duarte, do The Intercept Brasil, é finalista do Prêmio Jabuti.


O livro “Vaza Jato: os bastidores das reportagens que sacudiram o Brasil”, autoria de Letícia Duarte, do The Intercept Brasil, é finalista do Prêmio Jabuti.

À venda na Amazon.

“”A Vaza Jato, investigação jornalística sem precedentes na história do Brasil, virou livro e ele está imperdível.

O leitor encontrará aqui uma extensa reportagem da jornalista Letícia Duarte. Ela realizou entrevistas com a equipe do Intercept e ouviu também outras fontes para contar os bastidores eletrizantes por trás da série de reportagens que sacudiu o país.

Na segunda parte do livro há uma seleção de matérias publicadas pelo Intercept durante a Vaza Jato. Ao final, duas reportagens inéditas, editadas com exclusividade para o livro: uma sobre as relações dos procuradores com a Rede Globo, e outra sobre o dia da condução coercitiva do ex-presidente Lula.”

Capa do livro “Vaza Jato”, autoria de Letícia Duarte.

Jornalismo Influencer: Resistência Narrativa Nas Redes

“Jornalismo Influencer: Resistência Narrativa Nas Redes”, mediação de Raull Santiago, com a participação de Samela Awiá, Matihene Oliveora e Xico Sá, assista através do canal do YouTube SESC Avenida Paulista, dia 2 de outubro, a partir das 15h.


“Jornalismo Influencer: Resistência Narrativa Nas Redes”, mediação de Raull Santiago, com a participação de Samela Awiá, Matihene Oliveora e Xico Sá, assista através do canal do YouTube SESC Avenida Paulista, dia 2 de outubro, a partir das 15h.

Jornalismo Influencer: Resistência Narrativa Nas Redes

Querida cidade

O livro “Querida cidade”, do acadêmico da Academia Brasileira de Letras (ABL), Antônio Torres, está em pré-venda na Amazon.


O livro “Querida cidade”, do acadêmico da Academia Brasileira de Letras (ABL), Antônio Torres, está em pré-venda na Amazon: “Após quinze anos sem escrever um romance, o imortal da Academia Brasileira de Letras Antônio Torres retorna ao gênero com Querida cidade. Há escritores para quem o passado, o presente e o futuro não existem em separado, são uma coisa só. Essa fusão dos tempos faz com que seus personagens experimentem, simultaneamente, a vida que já viveram, responsável por eles serem como são, e a vida que ainda irão viver, pois a todo instante quem são hoje influencia, ou até determina, quem serão amanhã. Antônio Torres é um desses escritores.Querida cidade acompanha a história de um protagonista que, assim como outros personagens do livro, deixou a pequena cidade onde nasceu – para tentar uma vida melhor, para estudar ou mesmo para fugir de algo. Ao conversar com a mãe sobre o pai, que sumiu sem deixar vestígios muitos anos antes, o filho rememora a sua própria trajetória de êxodo, independência, fracasso e eventual retorno às origens.Por meio de lembranças, projeções e referências culturais de um Brasil profundo, a narrativa costura o onírico e o cotidiano, amor e melancolia, desalento e aceitação. Triunfo de um grande autor em sua melhor forma. “Leiam Antônio Torres. É muito bom este senhor aí”- Jorge Amado“Nascido na Bahia, e marcado indelevelmente pelo sertão, Antônio Torres escreve a fascinação das cidades-labirintos.” – Le Nouvel Observateur“Torres herdou as técnicas narrativas dos modernistas europeus, norte-americanos e latino-americanos juntamente com as grandes tradições orais do Brasil.” – Los Angeles Times“Sua literatura tem uma força poética que trata o sórdido e o triste como partes de uma engrenagem criativa indisposta a falsificar a realidade ou a transgredir com os subterfúgios o que a história quer silenciar.” – Nélida Piñon

Querida cidade, de Antônio Torres., pré-venda na Amazon.

Antônio Torres, nasceu no Junco, lugar hoje conhecido como Sátiro Dia, em 13 de setembro de 1940. Estreou na literatura em 1972 com o livro Um cão uivando para a lua.

Trabalhou no Jornal da Bahia como repórter e em 1961 foi transferido para São Paulo, passando a trabalhar no diário Última Hora. Em São Paulo, Antônio Torres, trocou o jornalismo pela publicidade.

Ocupa a cadeira n° 9 da Academia Brasileira de Letras, tendo como patrono o João Ubaldo Ribeiro.

Querida cidade, de Antônio Torres.
%d blogueiros gostam disto: