No Dia Do Livro Tem Promoção Na Patuá

O livro “A Teoria da Felicidade”, autoria de Kátia Borges, vai está na promoção no dia, 29, dia do livro.


O livro “A Teoria da Felicidade” (https://www.editorapatua.com.br/produto/236970/a-teoria-da-felicidade-de-katia-borges), autoria de Kátia Borges, vai está na promoção no dia, 29, dia do livro. A Patuá vai dar 20% de desconto para os livros publicados através dela. Vamos incentivar as editoras independente, acessem ao site da Patuá www.editorapatua.com.br divulguem e comprem livros como forma de incentivo!

Também vendido na Amazon pela Patuá.
Kátia Borges (Salvador/BA), jornalista e autora. Fonte de imagem e mais informações: http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_brasis/bahia/katia_borges.html

Lendo e relendo

Nada melhor que a leitura para compreender a história, o desenvolvimento de uma ou mais cidade, seus meios de produção, a religião, ensino… Me deparando novamente com o livro “Gabriela, Cravo e Canela”, autoria de Jorge Amado.


Nada melhor que a leitura para compreender a história, o desenvolvimento de uma ou mais cidade, seus meios de produção, a religião, ensino… Me deparando novamente com o livro “Gabriela, Cravo e Canela”, autoria de Jorge Amado.

“Gabriela, Cravo e Canela”, de Jorge Amado.
Valter Bitencourt Júnior, com o livro “Gabriela, Cravo e Canela”, autoria de Jorge Amado.

Maravilha

Nesses dias,
Mergulho em poemas.


Nesses dias,
Mergulho em poemas.

Vícios

Entra de cabeça e pés
Em um caminho sem saída
Sua vida iguala um forte rubro
Sem paz!
Faz da vida um jogo
Que flutua e desce
Nas águas cristalinas
E se transforma
Em sofrimento singelo
Se perde nos vícios asquerosos
Quando tudo esta pra ser tarde
Você se isola, se entrega
Sequer vislumbra vontade
Se debate com crise
De abstinência, pertinência
Dias depois tudo parece ser bem.
É solto!
Mas o que vem a sua cabeça
Alimenta-se dos seus vícios
Deixando tristes lágrimas
Descendo pelas cachoeiras?


Entra de cabeça e pés
Em um caminho sem saída
Sua vida iguala um forte rubro
Sem paz!
Faz da vida um jogo
Que flutua e desce
Nas águas cristalinas
E se transforma
Em sofrimento singelo
Se perde nos vícios asquerosos
Quando tudo esta pra ser tarde
Você se isola, se entrega
Sequer vislumbra vontade
Se debate com crise
De abstinência, pertinência
Dias depois tudo parece ser bem.
É solto!
Mas o que vem a sua cabeça
Alimenta-se dos seus vícios
Deixando tristes lágrimas
Descendo pelas cachoeiras?

Lasso

Deixei que o vento
Entre em meu corpo
Como a primavera.
Florescendo o meu amor,
Entrei no infinito
Penetrando
Profundamente no gozo
Entrelaçando nas estrelas
O nosso corpo
Como um laço,
Lasso.


Deixei que o vento
Entre em meu corpo
Como a primavera.
Florescendo o meu amor,
Entrei no infinito
Penetrando
Profundamente no gozo
Entrelaçando nas estrelas
O nosso corpo
Como um laço,
Lasso.

%d blogueiros gostam disto: