Laço


Quero saciar seus lábios
Trocar saliva
Roçando a minha língua
Na sua
Feito o movimentar
Das folhas de uma árvore
Ao bater aquele prazeroso ventinho
Da aurora
Fazendo-nos arrepiar
Os últimos fios de cabelo.
Quero me aprofundar
No seu ser carismático
E dentro dele formarei
Um laço
Que só você pode designar
E dele fazer do nosso amor
Uma eternidade.

Maravilha


Nesses dias,
Mergulho em poemas.

Vícios


Entra de cabeça e pés
Em um caminho sem saída
Sua vida iguala um forte rubro
Sem paz!
Faz da vida um jogo
Que flutua e desce
Nas águas cristalinas
E se transforma
Em sofrimento singelo
Se perde nos vícios asquerosos
Quando tudo esta pra ser tarde
Você se isola, se entrega
Sequer vislumbra vontade
Se debate com crise
De abstinência, pertinência
Dias depois tudo parece ser bem.
É solto!
Mas o que vem a sua cabeça
Alimenta-se dos seus vícios
Deixando tristes lágrimas
Descendo pelas cachoeiras?

João Cabral de Melo Neto: A Poesia do Menos


João Cabral de Melo Neto: A Poesia do Menos, com Antonio Carlos Secchin, moderação de João Cesar de Castro Rocha, dia 22/07/2020, às 17h.

Traços


Rastros Que se vão… Por ir… … São teus, Mulher errante! Encontro-me Numa pane No fundo Esvairado… Me congelaste… Moça de vida fácil?… Virgem dos lábios núbeis De olhares soslaios -cheiro de traição: Minh´alma se confunde Duas mortes Num só luar Eu e tu…