Lutemos


Conscientizar a sociedade através da arte e da cultura também é o papel do artista que por sua vez sofre com o sistema que vive, sistema esse que faz o máximo para destruir a arte e a cultura através da falta de investimento. A sociedade sem arte e cultura é um verdadeiro nada, é uma sociedade sem história, sem vida, sem cor, até porque é a arte que sobrevive a esperança da sociedade e a ressuscita do caos e transtorno de cada dia.

O governo opressor visa bater e muitas das vezes destruir tudo que venha a ir de desencontro a ele, não é atoa que o atual presidente está criando medidas para coibir que as pessoas venham a fazer críticas a ele, é claro que uma das maiores vítimas de todo esse sistema é o artista, que por sua vez não é condenado apenas pelo sistema, quanto por parte de uma sociedade que o desvaloriza.

Não há agressão social maior, que o governo Bolsonaro, a arte e a cultura por sua vez também busca sobreviver a esse governo tirano e perverso, que pouco se importa com a arte e a cultura, falando nisso quem não se preocupa com a arte e a cultura também não se preocupa com a educação do próprio país. Ganhamos um governo que não reconhece o Paulo Freire uma das peças fundamentais para a educação brasileira.

Esse governo quer matar ideias, quer matar a arte de pensar, quer matar tudo que venha a desperta a sociedade, quanto a isso não temos dúvida alguma começando pela escolha do ministro da educação, temos um governo conservador e contraditório que por sua vez contradiz os seus próprios ideais, que é o bem da família, Deus a cima de tudo e o amor a pátria.

Somos vítimas desse sistema, querem censurar o teatro, querem desvalorizar os artistas e acabar com a Lei Rouanet (isso é se já não acabou), o artista come o pão que o diabo amassou no governo Bolsonaro, principalmente os artistas de rua, os artistas independentes que já sofriam antes e hoje em dia por sua vez estão sofrendo mais ainda com a falta de compromisso desse governo.

O poeta e o povo


E os poetas, os poetas
Necessitam falar,
Tirar tudo o que esta preso por dentro,
Sem medo, tem de falar
Para o povo, muito mais
Do que sente.
O poeta não pode calar,
Diante ao sistema,
Diante a tudo o que se passa,
Diante a opressão,
Diante ao massacre social.
O poeta tem de falar
O poeta tem de escrever,
Nada pode calar a boca do poeta,
O poeta tem de ser livre,
Tem de romper barreiras.
O poeta tem de respirar
E se o ar esta poluído
Buscar uma forma de falar
Se a água está poluída
Buscar uma forma de falar,
Se estão matando a natureza
Buscar uma forma de falar,
A sociedade precisa saber,
Que estão destruíndo
O que há de mais precioso,
A natureza.
Se querem cortar os direitos
Trabalhistas, o poeta tem de falar
Se o povo não tem como
Se sustentar, o preço
Dos alimentos estão auto
O poeta tem de falar,
Levantar o povo
E juntos protestar,
O poeta não pode morrer,
O poeta tem de sobreviver
O poeta tem de buscar,
O poeta, o poeta tem que
Ir além da poesia,
O poeta tem que ter ousadia
O poeta pertence ao povo.

Um dia o povo será pelo povo


Um país em crise
Pessoas sendo
Desempregadas,
Alimentos em valor
Elevado.
No meio da miséria
Instalaram
As olimpíadas,
Para a felicidade
Dos que nada tem,
Para enganar
A sociedade.
A corrupção todos,
Todos sabem,
Mas, continuam
Acreditando no governo.
Nos jornais da para vê
A violência, o Brasil
Sangra, o mundo sangra,
Desvalorização a instituição
Pública,
Eles não ligam pra gente
A sociedade sente na pele
A miséria, a desgraça,
A dor, a sociedade sente
E cala, nada fala.
Este é o meu país,
Este é o mundo.
E tudo avança,
Querem que trabalhemos
Até morrer, temos
De produzir, produzir,
Produzir até a morte,
Temos de trabalhar
Para o estado,
Temos de pagar imposto,
Temos de sustentar o governo,
Temos de sentir na pele
A opressão e nada
Podemos falar.
A polícia cala a nossa boca,
Recebendo as ordens do estado,
As redes de televisão,
A rádio, por sua vez
Aliena o povo, o povo
Por sua vez se conforma.
O povo pode dá a voz,
Principalmente os que sabem
Que não tem nada a perder.
Um dia o povo vai vencer
E o povo será pelo povo.

Não sei se continuo amando a vida (continuação e final)


Nos tornamos humano, quando aprendemos a entender a si mesmo e o próximo. O mundo que vivemos precisa de um abraço imenso, pois o abraço cura, necessitamos de ser abraçados e abraçarmos.

Sina


A tragédia
Também produz dinheiro,
Para quem vive
Na ambição
De tirar proveito.
Tem gente lucrando
Da nossa miséria,
Tem gente lucrando
Da nossa desgraça,
Tem gente
Manipulando a nossa
Mente,
Tem gente zombando
Da gente.
Tem gente
De tudo que é jeito
Que tira proveito
Da nossa crença,
Que brinca
Com a nossa humildade,
Que brinca com a nossa
Lealdade:
– Sociedade vivendo na cegueira.
Tem gente que nos separa
Em oposição.
E sustentamos
Todo o sistema,
Para o nosso próprio
Desespero,
E ser visto
Como bom
Cidadão.

Atualidade


Quanto mais vazia e calma
Mais ainda é perigosa a rua
(Isola). A bola na rua
Simplesmente a bola
E o asfalto,
Não há quem queira mostrar talento,
Não há quem queira jogar uma pelada,
Não há quem queira fazer pontinho,
Não há quem queira…
Casas com grade
(Já não basta ter medo da marginalidade,
Tem que ter medo de doença
Invisível), a rua nua e doentia,
A rua nua prostituída
Por quem se aproveita
Da situação alheia
Para lucrar (sistema podre –
Capitalista).
No mundo de crença,
Onde muitos colocam
Deus a cima de tudo
E carrega por dentro
A falta de amor.
Há ser que mata mais
Que droga,
Quantas pessoas são assassinadas
Por ano?
Calamidade pública,
Pobre nem sempre tem vez.
Humano nem sempre é humano
(Desigualdade social
É desumano).
A sociedade feito a rua
A cada dia, nua, vazia, calma,
Doentia…

Estamos indo de mal a pior…


 A sociedade vive apanhando, nem sempre tem para onde correr, muitas das vezes parte da sociedade tem que se submeter ao patrão para se manter no emprego, mesmo que trabalhe em situação precária, trabalha para poder comprar o pão de cada dia, trabalha para pagar a conta de luz, água, fazer a compra do mercado… muitas das vezes sequer sabe o que é diversão, não sabe o que venha a ser o teatro, o cinema, o circo, os pontos turístico da própria cidade.

Faz Tudo o Que Prometeu Mas Não Atende o Que a Sociedade Pede


Hoje, eu passei uma pequena parte da tarde conversando com um amigo, ele sempre mostrou ter uma certa preocupação com o que vem se passando na sociedade. Pois bem, somos moradores de bairro periférico, sabemos o que se passar por aqui de bom a pior. Em um certo dia ele falou que foi convidado paraContinuar lendo “Faz Tudo o Que Prometeu Mas Não Atende o Que a Sociedade Pede”

Matar o próprio preconceito é se olhar no espelho


Todo ser humano carrega dentro de si algum tipo de preconceito, poucas as pessoas são capazes de olhar no espelho e encarar a si mesma, quem sabe reconhecer os próprios erros, assim fazendo quem sabe uma crítica de si mesma. Todo ser humano pode mudar ao longo do tempo, pode deixar de lado o preconceitoContinuar lendo “Matar o próprio preconceito é se olhar no espelho”