Conheça Poesia Inédita de Manuel Bandeira

Antonio Carlos Secchin compartilha pela primeira vez, poesia de Manuel Bandeira, escrita em Teresópolis, no ano de 1966, à escrita foi para a mãe da escritora Lilian Fontes. Segundo Antonio Carlos Secchin, Manuel Bandeira dedicou para o pai de Lilian Fontes, no poema, para evitar atritos e não despertar ciúmes…


Antonio Carlos Secchin compartilha pela primeira vez, poesia de Manuel Bandeira, escrita em Teresópolis, no ano de 1966, à escrita foi para a mãe da escritora Lilian Fontes. Segundo Antonio Carlos Secchin, Manuel Bandeira dedicou para o pai de Lilian Fontes, no poema, para evitar atritos e não despertar ciúmes:

UM INÉDITO DE MANUEL BANDEIRA
Poema inédito, em versos octassílabos,
que, em 1966, Manuel Bandeira, aos 80 anos, dedicou à mãe da escritora Lilian Fontes, num fim de semana em Teresópolis. Para evitar atritos e não despertar ciúmes, rs, dedicou-o ao pai, e não à sra. Margot, mãe da escritora. Agradecemos a Lilian a gentileza de permitir a reprodução do texto! (“Pupila negra em córnea verde/ Sobre um fundo de moreneza,/ Para quem sua dona perde/ Em mistério, graça e beleza?//Por teres esses olhos verdes,/ Morena, podes ter certeza/ De que para nenhuma perdes/ Em mistério, graça e beleza.”).

Antonio Carlos Secchin, via: Facebook.

Poesia Inédita de Manuel Bandeira
Pupila negra em córnea verde/ Sobre um fundo de moreneza,/ Para quem sua dona perde/ Em mistério, graça e beleza?//Por teres esses olhos verdes,/ Morena, podes ter certeza/ De que para nenhuma perdes/ Em mistério, graça e beleza. Manuel Bandeira, Teresópolis – 1966.
%d blogueiros gostam disto: